O poder da Mandala como processo meditativo

/, Fernanda Dutra/O poder da Mandala como processo meditativo

O poder da Mandala como processo meditativo

A intuição sempre esteve presente de forma especial na minha vida. Minhas decisões por vezes são difíceis de explicar para pessoas que tendem usar mais a razão, apenas sinto que aquele é o melhor caminho.

Minha inspiração na manifestação artística percorre processo semelhante. A arte, funciona para mim como um  meio de conexão a caminhos profundos e enigmáticos onde encontro a minha essência. Quando me perguntam: “Como você fez esta mandala?”. Eu simplesmente dou um sorriso, porque não é nada trivial explicar algo tão intenso, usando a  razão.

Sempre senti uma atração especial pela beleza oculta das mandalas. Todavia, o contato mais próximo com este mundo foi na época em que estava de licença-maternidade do meu segundo filho. Pedi à minha grande amiga  a quem admiro muito, Dulce Magalhães, para desenhar mandalas pessoais para minha família.

Quando recebi, fiquei encantada com as mandalas e junto com elas, vieram instruções de como lidar com a magnitude desta simbologia, como olhar para elas e fazer perguntas, e as respostas simplesmente viriam em algum momento.  E foi isso que fiz, me concentrava com a mandala pessoal e depois meditava sobre o meu caminho. Em um dia qualquer, comecei a desenhar pequenas mandalas em cadernos de reunião ou em pedaços de papel.

Comecei a desenhar sem nenhuma pretensão, tirava fotos e postava em redes sociais. As pessoas começaram a me escrever e queriam saber mais sobre as minhas mandalas. Me perguntavam como surgiam os nomes para cada mandala ou como era o processo de desenhar e pintar. Apenas respondia que os nomes eram intuitivos, surgiam de  uma voz interior que me direcionava a nomeá-las.

Confesso que tentei ser racional algumas vezes, como direcionar meu pensamento e vontade: “agora vou desenhar a Mandala do Renascimento”, ou de decidir escolher qualquer outro nome interessante que optasse. Mas não conseguia, a mandala já nascia com um mome e no momento em que pintava, se tentasse mudá-lo, me causava uma angústia muito grande.

Ao fazer as mandalas eu simplesmente silencio a minha mente, acredito no meu potencial de realização e me entrego neste trabalho intuitivo. É como se as cores fossem passos de uma dança nos quais estou totalmente entregue, nesse  fluir natural. Esse é um momento onde eu posso me encontrar comigo mesma, sem interrupções ou preocupações, ali estão apenas as cores, formas e poesia da arte vibrando em mim.

Existem meditações baseadas em mandalas, para quem a executa é deixar que a energia flua à sua própria consciência e para quem contempla, é simplesmente olhar para a mandala sem julgar ou prestar atenção aos detalhes, apenas vivenciando a totalidade, o indiviso.

As mandalas são como círculos mágicos da meta e do si-mesmo, enquanto totalidade psíquica, de centralização da personalidade, é concomitantemente, a imagem e o motor da ascenção espiritual, que ocorre de uma interiorização elevada da vida e, ainda uma forma do e user integrado no todo e o todo reintegrado no eu.

Para Jung, a mandala tem dupla eficácia: conservar a ordem psíquica, se ela já existe; ou restabelecê-la, se ela desapareceu. Para que as mandalas possam te ajudar no processo de meditação recomendo que você prepare um lugar calmo e isolado de ruídos. Pode haver música, incense, velas, o que quiser colocar neste lugar, mas o essencial é poder estar em paz e sem interrupção. Se o lugar for em contato com a natureza, ainda melhor. Calibre sua respiração, conecte-se com a energia do universo da fé e da gratidão e permita que estabeleça com um diálogo com seu mundo interior sem preocupações ou pensamentos invasivos!

A intuição sempre esteve presente de forma especial na minha vida. Minhas decisões por vezes são difíceis de explicar para pessoas que tendem usar mais a razão, apenas sinto que aquele é o melhor caminho.

Minha inspiração na manifestação artística percorre processo semelhante. A arte, funciona para mim como um  meio de conexão a caminhos profundos e enigmáticos onde encontro a minha essência. Quando me perguntam: “Como você fez esta mandala?”. Eu simplesmente dou um sorriso, porque não é nada trivial explicar algo tão intenso, usando a  razão.

Sempre senti uma atração especial pela beleza oculta das mandalas. Todavia, o contato mais próximo com este mundo foi na época em que estava de licença-maternidade do meu segundo filho. Pedi à minha grande amiga  a quem admiro muito, Dulce Magalhães, para desenhar mandalas pessoais para minha família.

Quando recebi, fiquei encantada com as mandalas e junto com elas, vieram instruções de como lidar com a magnitude desta simbologia, como olhar para elas e fazer perguntas, e as respostas simplesmente viriam em algum momento.  E foi isso que fiz, me concentrava com a mandala pessoal e depois meditava sobre o meu caminho. Em um dia qualquer, comecei a desenhar pequenas mandalas em cadernos de reunião ou em pedaços de papel.

Comecei a desenhar sem nenhuma pretensão, tirava fotos e postava em redes sociais. As pessoas começaram a me escrever e queriam saber mais sobre as minhas mandalas. Me perguntavam como surgiam os nomes para cada mandala ou como era o processo de desenhar e pintar. Apenas respondia que os nomes eram intuitivos, surgiam de  uma voz interior que me direcionava a nomeá-las.

Confesso que tentei ser racional algumas vezes, como direcionar meu pensamento e vontade: “agora vou desenhar a Mandala do Renascimento”, ou de decidir escolher qualquer outro nome interessante que optasse. Mas não conseguia, a mandala já nascia com um mome e no momento em que pintava, se tentasse mudá-lo, me causava uma angústia muito grande.

Ao fazer as mandalas eu simplesmente silencio a minha mente, acredito no meu potencial de realização e me entrego neste trabalho intuitivo. É como se as cores fossem passos de uma dança nos quais estou totalmente entregue, nesse  fluir natural. Esse é um momento onde eu posso me encontrar comigo mesma, sem interrupções ou preocupações, ali estão apenas as cores, formas e poesia da arte vibrando em mim.

Existem meditações baseadas em mandalas, para quem a executa é deixar que a energia flua à sua própria consciência e para quem contempla, é simplesmente olhar para a mandala sem julgar ou prestar atenção aos detalhes, apenas vivenciando a totalidade, o indiviso.

As mandalas são como círculos mágicos da meta e do si-mesmo, enquanto totalidade psíquica, de centralização da personalidade, é concomitantemente, a imagem e o motor da ascenção espiritual, que ocorre de uma interiorização elevada da vida e, ainda uma forma do e user integrado no todo e o todo reintegrado no eu.

Para Jung, a mandala tem dupla eficácia: conservar a ordem psíquica, se ela já existe; ou restabelecê-la, se ela desapareceu. Para que as mandalas possam te ajudar no processo de meditação recomendo que você prepare um lugar calmo e isolado de ruídos. Pode haver música, incense, velas, o que quiser colocar neste lugar, mas o essencial é poder estar em paz e sem interrupção. Se o lugar for em contato com a natureza, ainda melhor. Calibre sua respiração, conecte-se com a energia do universo da fé e da gratidão e permita que estabeleça com um diálogo com seu mundo interior sem preocupações ou pensamentos invasivos!

Adoraria receber manifestos da sua experiência aqui em nosso site!


Fernanda Dutra é Formada em Administração de Empresas pela Universidade Paulista e Artes Plásticas pela Escola Panamericana de Arte. Pós-graduada em Gestão Estratégica de Pessoas  e  em Marketing ambas pelo Mackenzie. Pós – graduada em Transdisciplinaridade  em Educação, Saúde, Liderança e Cultura de paz pela Universidade da Paz.

By | 2016-02-19T16:05:35-03:00 fevereiro 19th, 2016|Artigos, Fernanda Dutra|Comentários desativados em O poder da Mandala como processo meditativo

About the Author:

1
Olá!! Como a Flyflow pode lhe ajudar?
Powered by